sábado, 2 de janeiro de 2010

TV Espanhola bane publicidade

Assistir a um filme ou um programa na TV aberta espanhola implica um exercício de paciência. Não pela qualidade dos programas em si - apesar de eles não pouca vezes serem de fato ruins e entediantes - mas pela quantidade e o tempo de intervalos comerciais que se joga em cima dos pobres telespectadores.
Jogava-se. Desde ontem, a TVE - canal estatal espanhol que é o mais assistido pela população (segundo pesquisa divulgada nesta semana) - baniu completamente a propaganda da programação de suas duas estações - a 1 e a 2 (por aqui, as emissoras são chamadas pelo número do canal. O que quer dizer que, sim, também há a 3, a 4, a 5a 6 e a 7, todas chamadas assim mesmo).
Traduzindo: a rede agora dependerá 100% do financiamento público. E, para cobrir os (muitos) vácuos temporais deixados pelos gordos anúncios de bancos, empresas de telefonias e de bebidas - são oito mil horas anuais no total, segundo a própria TVE -, transmitirá programas antigos e novos e parte da programação da TVE 24 horas, uma espécie de Globonews espanhola (também só disponível na TV fechada).
A validade da fórmula ainda é duvidosa. Existe um impasse com anunciantes que já haviam fechado com a TVE o valioso espaço de publicidade no intervalo de jogos de futebol e outros eventos esportivos. Mas tem sido elogiada tanto por analistas em entrevistas a jornais e TVs daqui e por espanhóis (leia-se amigos meus daqui) que dizem não saber o que é assistir a um programa de TV sem um intervalo comercial de menos de 6 minutos cada.
Os canais privados, embora não radicalize com a TVE, também terão que restringir as gordas publicidades. Isso porque a decisão da cadeia estatal veio na carona de uma recente medida do Congresso, que limitou a 19 minutos por hora o tempo médio de propaganda nos canais espanholes. A TVE, que já vinha planejando sua dependência total de verba pública, foi mais além e, a partir de 1 de janeiro de 2010, pela primeira vez nos seus 50 e picos anos de história, deixou a publicidade para trás.
Quer dizer, quase. Ainda há anúncios, embora nenhum ligado à iniciativa privada. É o caso da publicidade da campanha "Sin publi (sem publicidade)", que a TVE já vem transmitindo desde dezembro:

Primer día sin publicidad en TVE


2 comentários:

Babi disse...

Luli, muito bom te ler! Essa experiência é tão interessante, depois quero saber o desenrolar daqui a alguns meses. Fico pensando: será que o povo vai fiscalizar mais de perto a programação? Afinal, o povo vai bancá-la integralmente. Será que essa é uma maneira justa de aplicar o dinheiro dos impostos? Existiria gasto melhor?
Manda brasa que eu vou acompanhar sempre que puder! Vou mandar o link para um amigo meu que mora na Espanha, no interior. beijão e feliz 2010!!!

Luisa disse...

Oi Babi,
Que bom você por aqui!
Olha, se vão fiscalizar mais ou não eu não sei (embora minha intuição diga que, se isso for feito, ficará a cargo da oposição, muito forte por aqui), mas te digo que a TVE é muito bem aceita aqui, e essa proposta de banir a publicidade mais ainda, porque o povo odeia esperar seis minutos de intervalo, como acontecia antes.
Brigada pela assistência e um 2010 maravilhoso pra vc tb!
bjocas.